Tags

Related Posts

Share This

Injeções e a febre reumática ou “reumatismo no sangue”

De um modo geral sou uma pessoa sem “muitas dores”, digo no corpo, porque o coração… este sangrou muito e muitas vezes!!!

Assim, uma dor de garganta, despercebida ou não sentida, também não foi tratada devidamente, e um dia umas coisas estranhas aconteceram, tipo erupções cutâneas e a mãe me levou ao médico e ele não achou importante…  Ela achou melhor buscar melhores recursos e fomos a Bento Gonçalves, ali, um médico chegou à conclusão de que era febre reumática surgindo e que devíamos atacar fortemente, por ser muito perigoso. Segundo o médico o quadro clínico era uma reação a uma infecção estreptocócica da garganta que não foi tratada devidamente.

A tal Febre Reumática ou Reumatismo no Sangue.

Passamos na casa de uma prima, que ao ouvir o diagnóstico, passou a mão em minha cabeça de uma forma de piedade que me pareceu estranha e desconfortável, provavelmente eu estava com 6 anos…  

Como o diagnóstico foi estabelecido em função dos sintomas, acredito que era isso, ou não, mas o tratamento… Ó este foi cruel.

Ainda que a febre reumática ocorra após uma infecção, ela não é uma infecção. Em vez disso, ela é uma reação inflamatória à infecção estreptocócica. As partes do corpo mais comumente afetadas pela inflamação incluem

•             Articulações

•             Coração

•             Pele

•             Sistema nervoso

A maioria das pessoas que têm febre reumática se recupera, mas o coração pode ser permanentemente danificado em um pequeno percentual delas. Hoje, sei que a febre reumática pode ocorrer em qualquer idade, mas ela ocorre com mais frequência entre os cinco e os 15 anos. Nos Estados Unidos, a febre reumática raramente se desenvolve antes dos três ou após os 21 anos de idade e é muito menos comum do que em países em desenvolvimento, provavelmente porque antibióticos são amplamente usados para tratar infecções estreptocócicas em um estágio inicial. No entanto, a incidência da febre reumática às vezes aumenta e cai em regiões específicas por razões desconhecidas.

Febre reumática não tratada pode causar problemas cardíacos graves.

A febre reumática é uma doença autoimune que provoca dores nas articulações e destruição das válvulas do coração. Muitos são os sintomas e as possibilidades de agravar em diferentes fases e é bastante comum ela levar ao óbito. 

Importância do tratamento apropriado, porque a febre reumática é responsável por cerca de 60% de todas as doenças cardiovasculares em crianças e adultos jovens.

Assim, pelo sim ou pelo não… recebi uma indicação de uma série de injeções de penicilina benzatina (600.000 a 1200.000 unidades) intramuscular para erradicar o problema…

E a mãe, como sempre fez o que pode e o que não pode aos seus 5 filhos, por conta, dobrou a dose:

– Nada era suficiente aos seus bebês! 

De volta para casa, com uma seringa de vidro que era fervida para ser limpa, iniciaram as negociações… – Eu preciso te salvar, dizia ela – me ajuda!

De uma forma que eu devia julgar de valentia, eu recebia as agulhadas… uma por dia e foram muitos. Algumas vezes eu chorava um pouco, outros eu chorava muito e outros eu ficava muito indignada e gritava, esperneava e fazia escândalo – em um destes a seringa saltou da mão dela e cravou na parede de madeira, ultrapassando a cortina e de lá – ELA VEIO DIRETO à minha bunda infantil! Dolorosamente para mim e para ela, que vi chorar muitas vezes…

Após esta primeira etapa, que foram mais de 30 dias… fomos ao médico novamente e ele informou que terminado o tratamento inicial, faríamos a profilaxia secundária da doença, com a aplicação de penicilina benzatina a cada 21 dias (por tempo indeterminado) para evitar que um possível novo contato com a bactéria, pudesse significar uma recaída.

Isso devia continuar por seis meses e…  Voltamos lá!

Para a criança que apresenta febre reumática, a falha ou a interrupção da medicação, a cada 21 dias, pode trazer consequências graves, pois se ela entrar em contato com outra criança ou adulto com infecção de orofaringe, ela não somente será reinfectada, como poderá desenvolver novamente as complicações da febre reumática, sendo a recorrência de cardite cada vez mais grave, exigindo tratamentos mais rigorosos, até a possibilidade de cirurgia cardíaca.

No final dos seis meses, fomos novamente até o médico e ele constatou que não era necessário continuar o tratamento, porque não houve acometimento do coração ou até que poderia ter sido algo menos importante as tais erupções cutâneas, uma vez que não havia tido sintoma algum a mais do que este primeiro…  “Nunca soube se de fato eu tive a tal febre e o médico e a mãe, resolveram me salvar ou se ambos estavam muito a fim de me furar”

Minha mãe ficou muito feliz neste dia e mesmo com condições financeiras comprometidas, ela entrou em uma loja com minha tia Maria (brava) e comprou uma boneca linda de borracha de uns 30cm – a tia por sua vês, comprou uma de 70 cm e que batia palminhas, para sua neta, minha prima. Lembro da alegria de ganhar a boneca e da tristeza de ver a da prima tão grande…. Depois descobri que, brincando com a prima, a minha era possível de manusear e interagir, enquanto que a dela, era quase de nosso tamanho, então apenas ficava lá, em um canto de pé! 

 Na verdade, é muito complexo tudo isso e sei de crianças que precisaram tomar injeções de 21 a 21 dias, por muitos anos e perdi uma prima na faze final de seu tratamento e era filha da prima que me fez imaginar que eu ia morrer. Ironia do destino!

Em 2011 fizeram os primeiros testes em humanos de uma vacina brasileira contra a bactéria precursora da febre reumática no Laboratório de Imunologia do Instituto do Coração (InCor), do Hospital das Clínicas (HC) da Faculdade de Medicina da USP… imagino que hoje elas devam existir.