ANOS 70 – Você sabe o que usar em festas com temas de outras décadas? de 1950 a 2000
Sem categoria
mar10

Tags

Related Posts

Share This

ANOS 70 – Você sabe o que usar em festas com temas de outras décadas? de 1950 a 2000

Década de 70

Como era o visual na década de 70? Homens usavam xadrez – bem vistosos – Outra peça bastante utilizada pelos homens eram as cancãs militares. As mulheres sempre carregavam tachinhas e outros detalhes que chamavam a atenção, ainda compunham o visual com acessórios de miçangas, que na época estavam em alta. O cós das calças não era dos mais  altos, mas sim baixos, mas o cinto era indispensável. Os hippies seguiam influenciando a moda, dizendo não ao consumismo ocidental e valorizando a cultura oriental: batas, kaftans, túnicas indianas, roupas ciganas, bijuterias étnicas… O público também passou a usar roupas e acessórios artesanais. Esta tendência foi ainda mais marcante no estilo cigana, que foi uma grande vedete -  adotava babadinhos mais o brilho e as plumas como destaque. Dá para se ter uma boa noção pelas imagens das tendências que estavam em alta. Se você acha brega, saiba que naquela época era o maior sucesso utilizar roupas semelhantes. Os menudos sugem em 1977 para delírio das meninas… Bordados, droderis e macramês em cintos tribais… eram parte integrante do vestuário feminino. Os embalos de sábado à noite – é o filme de 1977 também, que passa a dar uma nova roupagem à moda da próxima decada… trás brilhos e um novo rítmo. Em 1978 no Brasil entra o Dancin’ Days – e com ele assume a nova “moda que vai aos 80.

O que acontecia no mundo na década de 70?A década ficou marcada por vários acontecimentos trágicos, como a Guerra do Vietnã, a crise do petróleo.

Nem só de alta-costura e high society viveu a moda. O movimento hippie dos anos 60 emprestou-lhe uma nova postura, e o que se viu foi uma profusão de roupas indianas, camponesas e românticas. O tecido base era o crepom, que também podia ser chamado de anarruga, bandagem ou chiffon de algodão; as estampas eram florais, os batiks e os bordados de flores com espelhos no miolo. A mania do artesanato permitia a cada um criar seus complementos: fossem os cintos, sapatos e bolsas de couro cru, fossem as bijuterias de miçangas com prata ou latão, fossem as faixas para a cintura e cabeça em lã tecida em tear manual, com motivos mexicanos ou peruanos. Nascida em 1974 em Ipanema, a tanga foi uma das mais legítimas criações brasileiras, logo exportada para vários países. – No começo da década, a pantalona foi uma das grandes forças. Na maioria das vezes de malha coenizada, acompanhada de bata como as de gestantes ou blazers, ou ainda, de camisas justas e blusas Cacharrel em lycra fina. Para noite, usou-se muito vestido longo, mesmo para ocasiões informais. Muito lastex e decotes que caem pelos ombros. Os suéters e coletes de tricô reforçam o aspecto artesanal, e o valor está em parecer feito em casa. No verão surgem os macaquinhos em tecido atoalhado, as sandálias de dedo, os shorts tipo safári e as camisetas com aplicações de filó, rendas ou bordados. Os collants de lycra surgem com a moda discoteca, que valoriza também o lurex, as sandálias de plástico, os óculos “gatinho” e uma profusão de tecidos com brilho.

Os sapatos eram muitas vezes com solas de plataforma, ou no estilo mocassim; ou as alpargatas com solas de cordas, ou ainda as botas de diferentes alturas e acabamentos, usadas em todas as ocasiões.

A maquilagem e os cabelos passam por diferentes fases: do despojamento dos hippies à sofisticação das panteras (cortado em camadas e usando escova para enrolar), e terminam a década como os da personagem Júlia, de Sônia Braga, em “Dancin’ Days”: gomalinados, com aparência de molhados e com strass enfeitando, ou cortados em fio reto, repartidos para o lado e com permanente em toda a sua extensão.

Outra novidade da época foram os must: relógios Cartier ou Rolex e toda uma parafernália de pulseiras, isqueiros e canetas.

A década de 70 foi a fase áurea, surgem as confecções de estilo. O consumo do jeans e camisetas é uma coisa surpreendente. Era chic não ser chique. No plano internacional, a moda americana lançou Calvin Klein e Ralph Lauren. O pessoal de moda passou a visitar mais Nova Iorque, para se informar. Chanel e Dior estavam em baixa, e a tendência era ser chique com senso crítico

Quem se destacou na década de 70? Grandes artistas como: Pink Floyd, King Crimson, Genesis, Mike Oldfield, Bob Marley, Roberto Carlos, Elis Regina, Elvis em final de carreira, Silvio Santos…

Quais Influências femininas na moda na década de 70? Leila Diniz – Símbolo do feminismo, apareceu aos 7 meses de gravidez usando biquíni, em 1971, numa época em que as grávidas não mostravam a barriga.

Caroline de Mônaco – Filha de Grace Kelly, a princesa sempre foi sinônimo de beleza, classe e elegância.

Farah Fawcett – Conhecida pelo seriado As Panteras. Seu cabelo e beleza foram ícones dos anos 1970 e 1980.

Cher – Cantora e atriz, seu estilo exuberante marcou época.

Diane Keaton – Musa de Woody Allen, consagrou seu estilo com o figurino do filme Noivo Nervoso, Noiva Neurótica.

E no Brasil – Dina Sfat – A beleza e autenticidade da atriz marcaram os anos 1970 no cinema e na TV.

Carmen Mayrink Veiga – Socialite carioca, uma das mulheres mais elegantes do Brasil.

Regina Duarte – A eterna “Namoradinha do Brasil” inspirava as mulheres mais românticas.

Vera Fisher – Símbolo sexual, Miss Brasil e atriz, foi ícone de beleza por várias gerações.

Quais os detalhes marcantes da moda na década de 70? – busar das cores quentes e das estampas florais – as famosas bocas de sino com muitos enfeites, bordados, tiras, acessórios e muito mais- uso de batas indianas, vestidões, camisetas coloridas – óculos redondos e grandes – macacões – franjas – a camurça e as saias longas – golas enormes e pontudas – sapatos plataforma – MINI – MAXI – MIDI – marcaram com chave de ouro.

Veja também (clique):

MODA DOS ANOS 50

MODA DOS ANOS 60

MODA DOS ANOS 80

MODA DOS ANOS 90