Tags

Related Posts

Share This

42 marcas de cosméticos do Brasil que não testam em animais

Todos os dias, em laboratórios espalhados por todo o Brasil, animais são submetidos a uma série de crueldades para testar cremes para pele, tinturas de cabelo, batons e vários outros produtos cosméticos nem um pouco essenciais a nós, seres humanos. Você acha isso justo?

Se a resposta é não, saiba que você faz parte de um grupo cada vez maior de brasileiros que não suporta a ideia de que animais sofram e até morram, apenas, para satisfazer a vaidade humana.

Segundo pesquisa do Ibope, encomendada pela HSI (Humane Society International), dois terços da população brasileira são contra testes em animais e defendem a criação de lei nacional que proíba, de uma vez por todas, esse tipo de prática – pelo menos, na indústria de cosméticos -, como já acontece em outros lugares. Israel e União Europeia, entre eles.

No entanto, enquanto a justiça brasileira não toma uma posição, vale a pena boicotar aquelas empresas que ainda insistem em realizar testes em animais.

Confira, abaixo, 42 marcas de cosméticos brasileiras que, segundo a Anda (Agência de Notícias de Direitos Animais), não toleram esse tipo de prática e, por isso, podem ser consumidas sem peso na consciência.

1. ABELHA RAINHA

2. ACQUAFLORA

3. ADCOS

4. ÁGUA DE CHEIRO

5. AMEND

6. AUDREI CASATTI

7. AVORA

8. BEL COL

9. BIO ART

10. BIODERM

11. BIO EXTRATUS

12. BIONATUS

13. BOTANIC

14. CONTÉM 1G

15. DAVENE

16. EMBELEZZE (NOVEX)

17. EUDORA

18. FELICITTÁ LOOKS

19. GRANADO

20. HAIR FLY

21. IMPALA

22. INSPIRAÇÃO PERFUMES

23. JEQUITI

24. KOLOSS

25. L’AQUA DI FIORI

26. MAHOGANY

27. MAIRIBEL

28. MAQUEL

29. MAX LOVE

30. NATURA

31. NATURAL LINE

32. NAZCA

33. NIASI

34. O BOTICÁRIO

35. OX

36. QUEM DISSE BERENICE

37. RACCO

38. SURYA

39. VALMARI

40. VULT

41. YAMÁ

42. YES COSMETICS

Conhece mais alguma marca que merece estar na lista? Conte para a gente nos comentários!

Foto: Carly Lesser & Art Drauglis/Creative Commons – Fonte: thegreenestpost.bol.uol.com.br - Por Débora Spitzcovsky